Ontem estive a dar uma vista de olhos pelo mundo fantástico dos blogs de vinhos e fico cada vez mais estupefacto com a quantidade de asneiras e barbaridades que se escreve. O pior de tudo é a facilidade com que se descreve uma prova, a constante repetição com que se dizem as mesmas coisas e, creio eu, quem as escreve ou acredita mesmo naquilo ou querem fazer dos leitores parvos.

Como sempre ouvi dizer, a estupidez coloca-se na primeira fila para ser vista.

Então, ao lermos as provas organolépticas que alguns pseudo provadores tecem começamos a reparar na quantidade de ingredientes que compõem um determinado vinho. Vou apenas transcrever meia dúzia deles:


– pedra molhada
– biscoito salino
– leve lácteo
– folha de tomate
– leve giz
– esteva
– sílex………..

Como é óbvio, o rol de ingredientes não se ficam por aqui. E, muito francamente, sinto que a leitura das provas em alguns blogs servem apenas pela descompressão de uma anedota. Experimentem ler isto quando vão ao WC, quando chegam cansados do trabalho, quando estão chateados ou ansiosos, na sala de espera do médico, quando não têm nada para fazer e estão sozinhos, etc… a anedota descomprime de tudo!

Ficamos assim à mercê da idiotice e nem restos de razão para mexer uma palha. Tudo aquilo é uma certeza absoluta, incontestável. E a maioria dos produtores aplaudem este cortejo, contribuindo de diversas formas. Meus senhores e minhas senhoras, não se queixem, por isso estamos como estamos, Portugal tem o mundo dos vinhos ao nível das suas próprias exigências. Não se pode pedir mais…não há capacidade!

Ricardo Soares

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *