Ramos Pinto Colheita 1937 & Pudim Abade Priscos da Albina Couto

Há várias formas de viver a vida e uma delas é acreditar que todas as coisas são um milagre. Como este Porto Ramos Pinto 1937 e o Pudim Abade Priscos da Albina Couto, de Priscos.

Ser feliz é uma responsabilidade muito grande, tal como degustar este Porto e este Pudim. Ambos magistralmente primorosos!

Caro leitor, não há palavras que descrevam, não há notas possíveis.
Não me atrevo a questionar um “ancião” nascido em 1937 nem a actual detentora da melhor receita do Pudim de Abade Priscos.

Apenas apreciei o momento e vivi todos os segundos que antecedem e sucedem toda a prova.

É pecado dizer o que quer que seja. Um Porto com todos os seus aromas ancestrais e um Pudim que nos presenteia a maestria das mãos da Albina Couto e todos os seus ingredientes na sua plenitude e sublimidade.

Que perfeito casamento! Um Porto que transmite todo o seu passado neste presente que o saboreio e um magnânimo Pudim Abade Priscos executado na perfeição. Ambos à espera um do outro.

Durante a prova de ambos houveram dois momentos inesquecíveis. O do princípio, por causa da descoberta, da interrogação e emoção. E o fim que foi a beleza e luxo cheios de vivacidade e expressividade.

Ajoelho-me e agradeço!

Ricardo Soares

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *