Chegou a hora.
Finalmente abri-a.
Nem sei como dizê-lo.
Talvez o Fernando Pessoa, neste caso o Álvaro Campos, saiba dizer as coisas melhor do que eu. Por exemplo, se eu lhe pusesse à frente o Espumante Quinta dos Abibes Sublime Brut Nature 2009 talvez exclamasse: “… tenho em mim todos os / sonhos do mundo…” *.

E se eu perguntar ao Professor Francisco Batel Marques o porquê deste Sublime, talvez ele me responda: “…vou escrever esta história para provar / que sou sublime…” *

Não encontro mais palavras para além destas capazes de exprimir a sublimidade deste espumante; não me sinto capaz de transcrever para palavras cada gota, sensações e emoções. Deixo isso para os génios.

No copo apresentou-se num amarelo palha, límpido, com aromas tropicais, exóticos e cítricos, com tostados envoltos numa mineralidade fantástica, bouquet bastante complexo, a acidez perfeitamente equilibrada, um bom casamento entre os aromas, um certo crocante, bolhas finíssimas e uma ligeira cremosidade.

Parabéns ao Professor Francisco Batel Marques e à Quinta dos Abibes porque:

“…O mundo é para quem nasce para o conquistar
E não para quem sonha que pode
conquistá-lo, ainda que tenha razão…” 
*

Ricardo Soares

* Álvaro de Campos, Tabacaria in “Poemas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *